Polietileno verde

Rapaziada, essa coluna vai sair na Folha de S.Paulo na terça-feira, mas como eu acho que esse assunto pode cair neste domingão… Taí!!!

Massa leva troféu de biomassa

 

E não é que o Felipe Massa, piloto brasileiro de F1, deu um azar tremendo e não foi campeão, mesmo ganhando o GP-Brasil deste ano? Graças a essa vitória, ele ao menos levou para casa um belo troféu feito de… plástico! Calma, não é deboche! Afinal, não se trata de um plástico qualquer, mas um pra lá de especial: o polietileno verde, obtido da cana-de-açúcar (biomassa) em vez do petróleo, como seria mais comum. E foi desenhado por ninguém menos que Oscar Niemeyer. Peraí! É possível transformar cana em plástico? Como?

            Primeiro a cana é moída e em seguida seu caldo é filtrado, igualzinho ao que se faz nos carrinhos de garapa. Só que, em vez de beber o caldo de cana, os cientistas o aquecem de modo a evaporar a água; logo se forma um líquido rico em açúcar, viscoso e escuro: o melado. Agora é a vez do ataque das leveduras, mais conhecidas como fermento biológico. Inicialmente, elas quebram as moléculas de sacarose em outras duas: a glicose e a frutose (que tem a mesma fórmula):

C12H22O11 + H2O→ 2 C6H12O6 (hidrólise da sacarose)

Em seguida, as mesmas leveduras transformam açúcar em álcool – trata-se da fermentação alcoólica:

C6H12O6 → 2 C2H5OH + 2 CO2

            Nas usinas produtoras de álcool etílico (C2H5OH), isso acontece em tanques de fermentação onde inclusive se vê o caldo “ferver”, conseqüência da produção de gás carbônico.

            Depois que as leveduras sintetizaram o álcool etílico, basta separá-lo do resto do material (o mosto fermentado) por meio de destilação. Em seguida, com auxílio de aquecimento e um forte agente desidratante (o ácido sulfúrico), o álcool é transformado em eteno (H2C=CH2), também chamado de etileno. Note que essa reação chama-se desidratação intramolecular, pois nela uma molécula de água é extraída de “dentro” da molécula do álcool.

O gás etileno formado, por sua vez, submetido a condições adequadas (pressão e temperatura altas), sofre quebra de uma das ligações que compõe a dupla C=C. Como resultado, para compensar a ligação perdida, os “resíduos” de H2C-CH2 começam a se unir, formando uma longa molécula de fórmula: …–H2C-CH2-CH2-CH2-CH2-CH2-CH2-CH2-… ou, simplesmente, (-H2C-CH2-)n. Esse tipo de molécula em que um determinado grupo se repete muitas vezes é chamado de polímero. Nesse caso, o tal polímero é o polietileno, plástico (termo que indica que o polímero pode ser moldado na forma desejada) usado em sacos de lixo, garrafas de água e, agora, até em troféus! Ufa, chegamos lá!

Como a matéria-prima desse polímero é a biomassa vegetal (a cana), ele é chamado de polietileno verde. Grande coisa, você pode estar pensando… E é mesmo! O plástico verde, além de utilizar matéria-prima renovável, auxilia na retirada de CO2 da atmosfera ao longo do seu ciclo completo de vida, do cultivo da cana à reciclagem do produto, contribuindo para a redução do aquecimento global. E tudo com tecnologia brasileira. Orgulho para os químicos canarinhos e para o Massa, que ganhou, mas não levou… Dessa vez!

Anúncios

Sobre lulaquimico

chemistry teacher
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Polietileno verde

  1. Lygia - aleijadinha da sala XM9(3) disse:

    A matéria ficou muito boa! Parabéns, Lula!
    Tomara mesmo que caia amanhã! =)
    Beijinhos e até a revisão 2!

    PS: Os meninos envergonham a todos com esses xavecos furados!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s